quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Conto que num vale um conto.


47 GRAMAS


Onze e meia, partimos eu o D'olinda, Pedro e o Neguim. Rumo a um lugar que venda de cinco, nos tempos de hoje não é mais possível encontrar. Tudo quanto é quebrada o dez reina, por mim tanto faz o investimento será o mesmo, são raras as vezes que não embarco no embalo, vamu que vamu e já to dentro do carro. Um fiesta preto modelo antigo, quatro negos e um mentindo, pra ser mais exato omitindo informação. A luz do Giroflex anuncia lá vem o camburão, bate o desespero na hora da anunciação, eu tenho 50g aqui meu irmão, tamu tudo fudido, não tem pra onde correr. O desespero toma conta, vejo pelo retrovissor o gambé chegando cheio de onda, desce desce desce logo daonde vocês tão vindo? sairam da boca né negada? diz ae é melhor confessar se eu achar o barato eu vou te zuar. Pesadinho 47 gramas não assina o 16 vou meter um 12 e formação de quadrilha em vocês. Fomos tudo pro xadrez, o mais engraçado é encontrar lá a maioridade na sabedoria popular, pois o fingimento da rua não passa pelas grades, aqui homem chora calado e a cobra fuma um baseado. Quem num for sujeito homem morre furado.


M.A.

2 comentários:

Anônimo disse...

ESSA EU ASSINO EM BAIXO TEM QUE SER SUJEITO HOMEM ....

quatroevinte mc disse...

quando tem oportunidade, os verme ja tao na trilha/16 viram um 12 e amigos viram quadrilha/sente o cheiro na minha mao, os olhinho dele chega a brilha/o dinheiro faz outro homem apalpar minha virilha/

mc shaw - neblina