sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Eu não sou poeta.


Acordei hoje como em qualquer outro dia, roubei dez minutos do relógio no celular, mais dez, mais dez, mais dez, caralho já são oito horas. Nem mesmo deu tempo de recuperar as forças, parece que pisquei os olhos e já é dia. Aqui no meu quarto não tem cortina, o sol entra de sola e grita "levanta vagabundo", sempre tento acompanhar menos nos dias em que a preguiça diz: catiça. Pronto resolvi pular da cama, tô cansado de dormir chegou a hora de levantar pra cuspir, um pouco de saliva é útil pra colar a seda, bolei um dando um cagão lembrando pelo cheiro da cerveja, que noite anterior. O importante é lembrar o dia do poeta chegou, os seus problemas vão acabar, não dá tempo mesmo de comemorar vou de moto taxi, não posso atrassar, quanto é da carmélia até o vilas boas? Dez a menos na conta, meia hora a mais ou a menos de atrasso, faço aqui um desabafo, se eu fosse poeta eu seria um chato.


Marco Cardoso

2 comentários:

zaccarias disse...

Parabéns novamente!

khrystal disse...

olá!
moro em natal/rn e meu primeiro disco se chama "coisa de preto".viajando na net cheguei até seu blog..rsrs..

talvez quando vc descobrir que é poeta,deixe de escrever legal..é melhor assim..

parabéns!